Gastronomia

Bistrô Paris 6: o hype é real?

| 14 de outubro de 2018

Foto: www.acheiusa.com

Nessa edição do Restaurant Week (28/09 a 21/10), fomos provar alguns itens do cardápio famosíssimo do Paris 6. Todos os pratos recebem nomes de famosos, que costumam frequentar as unidades de São Paulo, Rio de Janeiro e mais outras cinco cidades brasileiras. A única unidade no exterior, localizada em Miami, fechou em julho deste ano. Mas e aí, será que o hype é real? Aqui, divido com vocês minha opinião (e a da minha família) sobre o Paris 6.

Restaurant Week é um festival gastronômico no qual os restaurantes participantes montam um cardápio especial com algumas opções de entrada, prato principal e sobremesa por um preço fixo. Nessa edição, o almoço sai por R$46,90 e o jantar custa R$58,90.

Entre as três opções de saladas como entrada, pedimos a Caprese. A apresentação era simples demais comparada ao padrão conhecido da casa. Veio um pedaço super pequeno de mussarela de búfala – e, no meu prato, ela nem veio.

Os pratos principais foram a melhor parte: todos estavam incríveis! Pedi um gnocchi de brie com molho de queijos e estava divino! Minha mãe fez a mesma escolha e também adorou. Meu pai preferiu um frango à parmeggiana gratinado com queijo emmental e meu irmão foi de picadinho de carne. Tudo estava delicioso, quente e muito bem servido.

Pra finalizar, sobremesas! O clássico do Paris 6 é o GrandGateau, um petit gateau com picolé disponível em mais de 40 versões. A opção do Restaurant Week era feito com banana picada, calda de creme de avelã, raspas de côco e picolé de cocada cremosa. Pro nosso paladar, é doce demais e acaba sendo enjoativo. Pedimos também o tradicional creme brulée, um creme de baunilha coberto com casquinha de açúcar queimado. O sabor estava bom, mas o creme poderia estar mais gelado e a casquinha mais quente.

No geral, foi uma experiência ótima levando em conta a qualidade da comida e o tamanho das porções. Saímos bem satisfeitos. Única coisa que vale a pena mencionar é o cardápio físico do Paris 6 no Restaurant Week: ele não existe. Frequentamos o festival há anos e esse foi o primeiro restaurante que pediu para acessarmos o cardápio em nosso próprio celular, em vez de fornecer um cardápio simples (e que é padrão do RW) com as opções para escolhermos. 

E você, já conhece o Paris 6? Gosta dos pratos servidos por lá? Me conta! 🙂

Ir para Post

Gastronomia

Zé do Hamburguer: minha hamburgueria favorita em SP!

| 14 de junho de 2018

Já faz anos que provei as delícias do Zé do Hambúrguer pela primeira vez. Posso dizer que foi amor à primeira vista! Desde então, apesar de conhecer as mais diversas hamburguerias de São Paulo, acabo sempre voltando lá vez ou outra pra comer meus favoritos da casa. 

O ambiente é todo inspirado nos anos 50, então espere encontrar Elvis Presley tocando no jukebox e até mesmo uma réplica de um Ford 1951 em forma de mesa. São diversas opções de hambúrgueres, hot-dogs, milkshakes e porções no cardápio, sendo que os lanches levam nomes divertidíssimos, como “X-Vespa Burger”, “Rock n’ Roll” e “Cadillac”.

Um dos best-sellers da casa é o James Dean (foto acima), formado por hambúrguer de fraldinha, queijo, creme de cebola, farofa de bacon e maionese artesanal. Abaixo, outro destaque: o lanche Jukebox vem no pão australiano com hambúrguer, creme de cheddar, relish de pepino artesanal, bacon e maionese artesanal. Além disso, esse último ainda acompanha fritas. 

Outra opção bem bacana é montar seu próprio lanche com os ingredientes de sua escolha – mas, claro, inclua o apetitoso creme de queijo. Para acompanhar, vale a pena pedir as batatas rústicas com alecrim, que têm corte artesanal e são incrivelmente deliciosas. Se for dividir entre a família, peça também as clássicas onion rings artesanais (cebola empanada).

Fica aqui a indicação para vocês conhecerem o Zé do Hambúrguer e seus lanches deliciosos! O resturante fica em Perdizes, na Rua Itapicuru, 419.

Garanto que vão gostar 🙂

Ir para Post

Gastronomia

Hamburgueria em SP: O Burguer

| 10 de novembro de 2017

Esses dias fui conhecer O Burguer, uma hamburgueria que fez um super sucesso no ano passado porque servia lanches imitando fondue – as batatas são enfiadas dentro do pão, junto com muito queijo cremoso. Apesar da minha curiosidade desde o começo, só conheci agora e hoje trago a minha opinião do lanche pra vocês, assim como a opinião dos meus amigos que foram comigo!

1. Gotham City“Achei o meu hambúrguer delicioso, não achei a carne seca, pelo contrário, estava no ponto que eu tinha pedido. A única observação que eu queria frisar era sobre o pão, achei um pouco maçudo, mas fora isso, uma delícia” – Hawinne

2. Eddie O’Hare: “Foi um dos melhores hambúrgueres que eu já comi, era bem recheado, com muito sabor e não era seco como normalmente é vendido em outras hamburguerias” – Pedro

3. Delta: “O lanche estava muito bom! Eu pedi sem o ovo. O chimichurri estava show e a cebola era agridoce, muito boa” – Bruna 

4. Chicago: “O hambúrguer era delicioso! O queijo brie dá um sabor diferente, fica muito bom. E o crocante também deu um toque especial” – Bárbara

5. The Loop: “Eu achei o conjunto em si gostoso, mas eu esperava mais do molho de queijos, e não achei o hambúrguer tão suculento, mas no geral o lanche estava bom. Não superou minhas expectativas, acho que é mais um lanche bonito do que gostoso” – Yasmin

6. Miles Davis: “Eu gosto muito do agridoce, do abacaxi e da farofa de castanha do pará. Casou muito com o sabor do hambúrguer. Pedi só pra trocarem o hambúrguer porque gosto muito da carne suína” – Iury

No geral, dá pra perceber que gostamos muito dos lanches, né? Eles eram grandes e custavam entre 30 e 40 reais.

Endereço: Av. Moaci, 806 – Moema, São Paulo

Ir para Post

Gastronomia

Culinária grega em SP: restaurante MYK

| 30 de agosto de 2017
Semana passada foi meu aniversário de 20 anos. Todos os anos gosto de comemorar conhecendo um restaurante novo durante a noite. Dessa vez, escolhi o Myk, restaurante de culinária grega super badalado aqui em São Paulo.

O restaurante fica na Rua Peixoto Gomide, 1972, no bairro de Jardim Paulista. Ele leva esse nome por causa de Mykonos, ilha grega paradisíaca e destino queridinho de várias celebridades.

Meu irmão pediu um filet mignon grelhado com batatas ao mel orgânico, nozes e azeitonas kalamatas e minha mãe optou por um orecchiette com camarões ao limão siciliano

Eu e meu pai escolhemos dividir a tradicional moussaka, uma espécie de lasanha feita com beringela, batata, ragu de cordeiro e bechamel. No cardápio diz que é para duas pessoas, mas a porção é bem servida. Eu nunca havia provado esse prato e simplesmente amei! É muito, muito bom!

Por fim, encerramos com uma sobremesa: sorvete de galaktôboureko com massa folhada e pistaches caramelizados. Tem um design diferente, é saborosa, mas não surpreendeu tanto quando os outros pratos.

Os preços variam entre 60 e 80 reais para pratos individuais, e a lasanha para compartilhar custa R$98. Já as sobremesas custam entre 20 e 30 reais. Não é um restaurante barato, mas sem dúvidas vale a pena pela qualidade das comidas servidas.

Amei conhecer o Myk e experimentar um pouquinho da culinária grega. Os pratos estavam deliciosos, o ambiente é super agradável e o jantar foi incrível! Com certeza vamos querer voltar mais vezes. 

Ir para Post

Gastronomia

Bráz Elettrica, a novidade da pizza paulistana

| 19 de julho de 2017

O estilo descontraído da Bráz Elettrica me conquistou de primeira. Antes mesmo da casa ser inaugurada em São Paulo, no fim de junho, eu já acompanhava os preparativos pelo Instagram e sabia que não demoraria muito pra conhecer a novidade da pizza paulistana. 

Considerada como a irmã “moderninha” da Bráz, tradicional pizzaria que possui várias casas aqui em São Paulo, em Campinas e no Rio de Janeiro, a Bráz Elettrica abre suas portas trazendo um conceito totalmente novo para as pizzarias da capital. 

As pizzas são individuais e não há talheres. Como não há garçons, o pedido é feito no caixa e o cliente espera ser chamado para retirar sua pizza. Existem algumas mesas no piso superior, assim como balcões compartilhados no térreo. O clima informal é outro ponto positivo da casa. A música é boa e a decoração é inusitada, misturando elementos do rock, pop e, claro, da gastronomia.

O nome da casa foi inspirado no forno elétrico utilizado para assar as pizzas, fabricado artesanalmente em Nápoles. Em apenas 90 segundos, temos uma pizza leve, crocante e muito saborosa. Todas as receitas foram criadas por Anthony Falco, que já trabalhou em uma das principais pizzarias de Nova York e trouxe a pegada urbana e descontraída da cidade para suas criações.

 

Pedi a clássica margherita, que é feita com três queijos (búfala, mozzarella e grana padano), além de molho e manjericão. Estava deliciosa! Todas as pizzas custam entre R$25 e R$30 e são individuais, sendo perfeitas pra comer com a mão. Além disso, a casa também possui opções de entrada, salada e sobremesa, como o clássico tiramisù. 

 

Quanto às bebidas, o grande destaque é a cerveja da casa. A Elettrica custa R$9 e foi encomendada para a microcervejaria Blondine. Sua produção é artesanal e foi criada especialmente para combinar com as pizzas, pois tem um sabor leve e amargor equilibrado.

Endereço: Rua dos Pinheiros, 220 – Pinheiros, São Paulo – SP 

A Bráz Elettrica funciona todos os dias, inclusive no horário do almoço – quem disse que pizza é só no jantar, né? Provei e agora recomendo demais!

Ir para Post