Gastronomia

Hamburgueria em SP: O Burguer

| 10 de novembro de 2017

Esses dias fui conhecer O Burguer, uma hamburgueria que fez um super sucesso no ano passado porque servia lanches imitando fondue – as batatas são enfiadas dentro do pão, junto com muito queijo cremoso. Apesar da minha curiosidade desde o começo, só conheci agora e hoje trago a minha opinião do lanche pra vocês, assim como a opinião dos meus amigos que foram comigo!

1. Gotham City“Achei o meu hambúrguer delicioso, não achei a carne seca, pelo contrário, estava no ponto que eu tinha pedido. A única observação que eu queria frisar era sobre o pão, achei um pouco maçudo, mas fora isso, uma delícia” – Hawinne

2. Eddie O’Hare: “Foi um dos melhores hambúrgueres que eu já comi, era bem recheado, com muito sabor e não era seco como normalmente é vendido em outras hamburguerias” – Pedro

3. Delta: “O lanche estava muito bom! Eu pedi sem o ovo. O chimichurri estava show e a cebola era agridoce, muito boa” – Bruna 

4. Chicago: “O hambúrguer era delicioso! O queijo brie dá um sabor diferente, fica muito bom. E o crocante também deu um toque especial” – Bárbara

5. The Loop: “Eu achei o conjunto em si gostoso, mas eu esperava mais do molho de queijos, e não achei o hambúrguer tão suculento, mas no geral o lanche estava bom. Não superou minhas expectativas, acho que é mais um lanche bonito do que gostoso” – Yasmin

6. Miles Davis: “Eu gosto muito do agridoce, do abacaxi e da farofa de castanha do pará. Casou muito com o sabor do hambúrguer. Pedi só pra trocarem o hambúrguer porque gosto muito da carne suína” – Iury

No geral, dá pra perceber que gostamos muito dos lanches, né? Eles eram grandes e custavam entre 30 e 40 reais.

Endereço: Av. Moaci, 806 – Moema, São Paulo

Ir para Post

Gastronomia

Culinária grega em SP: restaurante MYK

| 30 de agosto de 2017

Semana passada foi meu aniversário de 20 anos. Todos os anos gosto de comemorar conhecendo um restaurante novo durante a noite. Dessa vez, escolhi o Myk, restaurante de culinária grega super badalado aqui em São Paulo.

O restaurante fica na Rua Peixoto Gomide, 1972, no bairro de Jardim Paulista. Ele leva esse nome por causa de Mykonos, ilha grega paradisíaca e destino queridinho de várias celebridades.

Meu irmão pediu um filet mignon grelhado com batatas ao mel orgânico, nozes e azeitonas kalamatas e minha mãe optou por um orecchiette com camarões ao limão siciliano. 

Eu e meu pai escolhemos dividir a tradicional moussaka, uma espécie de lasanha feita com beringela, batata, ragu de cordeiro e bechamel. No cardápio diz que é para duas pessoas, mas a porção é bem servida. Eu nunca havia provado esse prato e simplesmente amei! É muito, muito bom!

Por fim, encerramos com uma sobremesa: sorvete de galaktôboureko com massa folhada e pistaches caramelizados. Tem um design diferente, é saborosa, mas não surpreendeu tanto quando os outros pratos.

Os preços variam entre 60 e 80 reais para pratos individuais, e a lasanha para compartilhar custa R$98. Já as sobremesas custam entre 20 e 30 reais. Não é um restaurante barato, mas sem dúvidas vale a pena pela qualidade das comidas servidas.

Amei conhecer o Myk e experimentar um pouquinho da culinária grega. Os pratos estavam deliciosos, o ambiente é super agradável e o jantar foi incrível! Com certeza vamos querer voltar mais vezes. 

Ir para Post

Gastronomia

Bráz Elettrica, a novidade da pizza paulistana

| 19 de julho de 2017

O estilo descontraído da Bráz Elettrica me conquistou de primeira. Antes mesmo da casa ser inaugurada em São Paulo, no fim de junho, eu já acompanhava os preparativos pelo Instagram e sabia que não demoraria muito pra conhecer a novidade da pizza paulistana. 

Considerada como a irmã “moderninha” da Bráz, tradicional pizzaria que possui várias casas aqui em São Paulo, em Campinas e no Rio de Janeiro, a Bráz Elettrica abre suas portas trazendo um conceito totalmente novo para as pizzarias da capital. 

As pizzas são individuais e não há talheres. Como não há garçons, o pedido é feito no caixa e o cliente espera ser chamado para retirar sua pizza. Existem algumas mesas no piso superior, assim como balcões compartilhados no térreo. O clima informal é outro ponto positivo da casa. A música é boa e a decoração é inusitada, misturando elementos do rock, pop e, claro, da gastronomia.

O nome da casa foi inspirado no forno elétrico utilizado para assar as pizzas, fabricado artesanalmente em Nápoles. Em apenas 90 segundos, temos uma pizza leve, crocante e muito saborosa. Todas as receitas foram criadas por Anthony Falco, que já trabalhou em uma das principais pizzarias de Nova York e trouxe a pegada urbana e descontraída da cidade para suas criações.

 

Pedi a clássica margherita, que é feita com três queijos (búfala, mozzarella e grana padano), além de molho e manjericão. Estava deliciosa! Todas as pizzas custam entre R$25 e R$30 e são individuais, sendo perfeitas pra comer com a mão. Além disso, a casa também possui opções de entrada, salada e sobremesa, como o clássico tiramisù. 

 

Quanto às bebidas, o grande destaque é a cerveja da casa. A Elettrica custa R$9 e foi encomendada para a microcervejaria Blondine. Sua produção é artesanal e foi criada especialmente para combinar com as pizzas, pois tem um sabor leve e amargor equilibrado.

Endereço: Rua dos Pinheiros, 220 – Pinheiros, São Paulo – SP 

A Bráz Elettrica funciona todos os dias, inclusive no horário do almoço – quem disse que pizza é só no jantar, né? Provei e agora recomendo demais!

Ir para Post

Gastronomia

Restaurant Week @ A Esperança Vino & Cucina

| 14 de outubro de 2016

Eu já falei sobre o Restaurant Week diversas vezes aqui no blog. Acho que em todas elas, falei bem dos restaurantes, mas infelizmente dessa vez tenho que pontuar uma experiência desagradável que tive no restaurante A Esperança Vino & Cucina. 

Reservei uma mesa para quatro pessoas no restaurante para domingo às 14h. Geralmente é um horário bem movimentado nos restaurantes, mas esse estava tranquilo. Chegamos lá por volta das 14h15 e logo sentamos. Como já disse outras vezes, o Restaurant Week é bem rápido e a escolha dos pratos também, então em pouco tempo já tínhamos escolhido o que íamos comer.

Fizemos o pedido. Em 20 minutos, a entrada já havia chegado. Pedi a polenta com ragú e estava morna e insossa, totalmente sem graça. O camarão, entretanto, era saboroso. O problema mesmo foi a diferença de tamanho dos camarões que saíam da cozinha. Alguns pratos tinham camarões absurdamente grandes, enquanto outros eram muito pequenos.

Após recolherem nossos pratos da entrada, ficamos quase 1h30 esperando pelo prato principal. Esse tempo é excessivo quando comparado aos outros restaurantes que participam do restaurant week, cujos pratos chegam em menos de 20 minutos. Tivemos que reclamar algumas vezes. No fim, a mesa ao nosso lado (que tinha chegado depois da gente), já estava comendo o prato principal antes mesmo de levarem o nosso. Logo depois chegou e aí sim ficamos decepcionados. Eu optei pelo peixe, que era insosso também; de acompanhamento veio um macarrão quase que cru e frio. A outra opção de prato era um purê de batatas com porqueta à pururuca. O purê estava gostoso, mas a porqueta era extremamente pequena. Ah, sem contar que, mais uma vez, havia diferença entre o tamanho da carne (vide foto).

Para pedir a sobremesa, mais espera. Foram quase 30 minutos para chegar os doces e a conta, que aproveitamos para pedir junto depois de tanta demora. Os churros chegaram primeiro e estavam bem queimados. Tivemos que esperar mais tempo ainda para a outra sobremesa chegar, que era o mousse de chocolate com côco. Estava normal, mais uma vez sem graça. A conta veio junto.

Camarões empanados com sourcream e ovas de massago

Polenta cremosa com ragú de costela bovina

Porqueta à pururuca com purê de batata e tomates

Truta recheada com salmão ao velouté e tagliatelle na manteiga

Mini churros com doce de leite

 

O Restaurant Week é um festival gastronômico no qual os restaurantes participantes montam um cardápio especial com algumas opções de entrada, prato principal e sobremesa por um preço fixo.

MENU RESTAURANT WEEK 2016/2  –  26/09 a 16/10

Almoço: R$42,90

Jantar: R$53,90

 

ENDEREÇO DO RESTAURANTE A ESPERANÇA VINO & CUCINA:

Rua Pedroso Alvarenga, 716 – Itaim Bibi – São Paulo/SP

Ir para Post

Gastronomia

Restaurant Week @ O Gato Que Ri

| 2 de outubro de 2016

Começou mais uma temporada do Restaurant Week e lá fui eu conhecer novos restaurantes pela cidade de São Paulo. Digo e repito: não tem coisa que mais gosto nesse mundo do que provar pratos novos em restaurantes que nunca fui! 

O Gato que Ri é um restaurante super tradicional do centro de São Paulo. Ele foi aberto em 1961 e faz muito sucesso desde então. A feijoada é um dos pratos mais clássicos da casa, mas como estávamos lá para participar do Restaurant Week, tivemos que deixar para a próxima.

O Restaurant Week é um festival gastronômico no qual os restaurantes participantes montam um cardápio especial com algumas opções de entrada, prato principal e sobremesa por um preço fixo.

MENU RESTAURANT WEEK 2016/2  –  26/09 a 16/10

Almoço: R$42,90

Jantar: R$53,90

Insalata de Zucchine: salada de abobrinha com palitos de queijo coalho e repolho roxo ao molho vinagrete especial
 
Pomodoro Arrosto: tomate recheado com cogumelos frescos e assado no forno a lenha
 
Saint peter grelhado ao molho de alcaparras acompanhado de arroz de salsa e cuscuz de camarão
 
Entrecôte grelhado ao molho gorgonzola, acompanhado de talharim verde na manteiga
 
Tiramisù: tradicional sobremesa italiana com mascarpone e licor de café
 
Torroncino: crocante de amêndoas e mel, mousse de ganache de chocolate meio amargo em base de bolo de chocolate
 
Para mim, uma das vantagens de comer no Restaurant Week é a rapidez com que os pratos chegam à mesa. Dessa vez não foi diferente, e minutos após fazermos nosso pedido, a entrada já estava chegando. A salada estava gostosa e o tomate recheado também, mas não surpreenderam. Já os pratos principais eram muito bem servidos e estavam deliciosos, porém podiam estar um pouco mais quentes. Quanto a sobremesa, apenas o tiramisù nos agradou. A apresentação do torroncino era bonita, mas o sabor era um pouco sem graça e a porção era muito pequena.

ENDEREÇO DO RESTAURANTE O GATO QUE RI

Largo do Arouche, 37/41 – Santa Ifigênia, São Paulo/SP 

Ir para Post